O hospital - 2ª parte


Este texto é a continuação de O hospital (sugiro que leia a 1ª parte da história antes de continuar).

--

Júlio sentia-se revigorado, embora confuso com o seu novo estado, sentia um alivio indescritível por continuar vivo mesmo depois de morto!

Toda a equipa do hospital o tratava impecavelmente bem, no entanto sentia particular afinidade com a enfermeira Ivone com quem mantinha longas conversas sempre que possível, no seu intimo pairavam muitas dúvidas que ansiava por esclarecer, mas sempre que tentava aflorar o assunto a simpática enfermeira habilmente desviava a conversa – Paciência amigo Júlio, cada coisa a seu tempo, primeiro recupere, quando o seu estado anímico for positivo falamos – e assim o tempo foi passando e a paciência de Júlio testada.

Meses depois, numa magnifica manhã de sol, Ivone convidou-o a passear no belíssimo jardim adjacente ao hospital, a conversa foi fluindo, até que a curiosidade falou mais alto – Há quanto tempo está aqui Ivone?

– Faz 46 anos no próximo mês, é uma ocupação recompensadora que muito agradeço a Deus e em breve voltarei à crosta terrestre.

– Vai voltar? Como assim?!

– Todos nós voltamos – respondeu Ivone ao mesmo tempo que indicou um banco numa sombra para se sentarem – o Júlio está quase a ter alta, depois terá hipótese de estudar, ter uma ocupação e mais cedo ou mais tarde irá renascer novamente num novo corpo, a vida é só uma, mas temos várias existências – e piscou-lhe o olho.

Aquilo era completamente novo para si, ele que nunca tinha sido religioso e nem em Deus acreditava, via-se agora mais vivo do que nunca no que julgava ser o céu, mas no entanto não era um anjo, não tocava arpa e pelos vistos a teoria de reencarnação era verdadeira!! Não fosse estar a viver isto na primeira pessoa e isto tudo lhe parecia um filme de ficção.

Olhou suplicante para a amiga enfermeira e verbalizou o seu estado de alma – Como é que isto pode ser? Sinto-me tão vivo! Mantenho o meu corpo, sinto-me, olhe aqui – e exemplificava com o seu dedo indicador a premir o joelho direito.

Ivone sorriu e iniciou a explicação com voz meiga e pacientemente – É normal, este é o nosso corpo espiritual, aquilo que os orientais chamam corpo astral, que os espíritas chamam perispírito e que de uma forma abstrata as várias religiões chamam de alma. Os que não acreditam não concebem a sua existência, já os crentes julgam que é algo imaterial, no entanto é alguma coisa, como constata continuamos a ser matéria, mas num outro estado que a ciência oficial ainda não descobriu.

Nesse momento Ivone tira do bolso um pequeno aparelho parecido com um tablet, escreve rapidamente algo no ecrã e mostra-o ao Júlio enquanto continuava a falar – Lembra-se por certo desta fórmula de Einstein – – Júlio reconheceu a formula e indicou isso mesmo com um leve abanar de cabeça – pois muito bem – continuou Ivone – temos então que qualquer massa acelerada ao quadrado da velocidade da luz é energia, ou seja, tudo é energia, tudo!

Mas agora pense comigo: a água é um sólido, um liquido ou gasoso?

Júlio não estava a perceber qual o sentido que a explicação estava a tomar, mas ainda assim respondeu – Depende da temperatura.

– Exatamente! Quando a temperatura é muito baixa as moléculas de água ficam muito próximas, quase não se movem, o efeito é água congelada, um solido tão rijo como uma pedra, já a uma temperatura temperada as moléculas de água ficam mais soltas, movem-se e o resultado é a água que conhecemos, um liquido… mas a temperaturas muito elevadas as moléculas ficam instáveis, rápidas e transforma-se em vapor.

São sempre moléculas de água, mas em estados distintos – torna a pegar no aparelho, escreve algo rapidamente e mostra-o ao Júlio – esta é a formula de Einstein-Lorentz:


Cada vez estava mais baralhado, na escola até tinha sido bom aluno a matemática, mas não estava mesmo a perceber qual o sentido desta explicação, ainda assim manteve-se atento expectante e a simpática enfermeira continuou:

– Se verificar, à medida que a velocidade (v) se aproxima do valor da velocidade da luz (c) a energia gasta tende para o infinito, certo? – Júlio não respondeu, mas a explicação continuou – assim, temos que quando a velocidade é exatamente igual à velocidade da luz, o resultado da fração que está dentro da raiz quadrada é 1, ora 1-1=0 e raiz quadrada de zero, é zero… e qualquer valor a dividir por zero é infinito.
De facto ao olhar para a operação que a Ivone lhe tinha acabado de mostrar   percebia que o resultado era infinito, mas e então?!

Ivone parecia adivinhar-lhe o pensamento e continuou com um sorriso afável – então e se a velocidade for superior à velocidade da luz? Para ser mais fácil, imagine que a operação dentro da raiz quadrada é:


– Temos uma raiz quadrada negativa – foi dizendo Júlio.

– Exato, e raízes quadradas de números negativos não têm resolução, ou não tinham – e piscou-lhe o olho – os hipernúmeros utilizados na física quântica vieram baralhar as contas e graficamente temos isto:

– A matéria que compõe o nosso corpo espiritual é composta por elementos que tem uma velocidade superior ao quadrado da velocidade da luz, a ciência terrena ainda não chegou lá, mas é por isso que os nossos amigos mergulhados no corpo de carne não têm capacidade de nos ver, no entanto nós existimos, num outro estado da matéria que ainda não foi descoberta!

Júlio recordou-se dos tempos mais recentes em que se julgava louco, dos longos meses em que ninguém o via nem ouvia em sua casa – Mas e eu? Já depois de ter morrido também só via o mundo material! Como é isso?

– Passou a sua vida focalizado na matéria, para si não existia nada depois da vida, programou-se a si próprio durante todos os anos desta sua última vida para a existência exclusiva da matéria, depois não admira que era matéria tudo o que via, vários amigos o foram tentando ajudar ao longo do tempo, mas só quando já em desespero o Júlio se pôs a orar e consequentemente a sua vibração subiu um pouco é que lhe conseguiram valer, ainda assim foi necessário recorrer a uma reunião mediúnica que estava a decorrer perto do local para conseguir comunicar com o Júlio, lembra-se? Aqueles amigos que falaram consigo naquela casa? O Júlio nem se apercebeu, mas falou através de uma médium e aquele grupo de pessoas simples limitou-se a ajudar fazendo-o focalizar pela primeira vez nos amigos cá deste lado da vida.

Na sua recordação reviu novamente esse momento:

“(…) sabe que veio até esta casa porque está aqui uma equipa médica que o quer ajudar?! Ora repare aqui do meu lado direito, não os vê?” 

– Mas eles sabem disto tudo? – Perguntou.

– Tem uma ideia aproximada, são pessoas como as outras, também têm defeitos e qualidades, mas já têm presente que a vida continua e vão ajudando no que podem, como vê, no seu caso e em muitos outros foram muito úteis! – respondeu-lhe Ivone enquanto se levantava – Vamos regressar ao hospital? Por hoje já teve bastantes novidades teóricas.

Júlio acedeu ao convite, de facto sentia-se completamente ignorante e estava fascinado com tudo o que lhe estava a acontecer, queria aprender mais e mais, no entanto uma outra questão lhe surgiu na mente – Então e os meus familiares e amigos que morreram antes de mim?

A enfermeira entrelaçou o seu braço no braço dele e enquanto caminhavam em direção ao edifício respondeu-lhe com alegria – Segundo as indicações que recebi de manhã, vai ter umas visitas especiais hoje – olhou-o divertida e genuinamente feliz continuou – aliás, consegue reconhecer aquela senhora ali à frente?

Júlio olhou na direção indicada e dispara – Mãe?!?!

Sim – confirmou a enfermeira com uma gargalhada amável – talvez seja melhor acelerar o passo!

2 comentários:

  1. Adorei a história, grato inclusive pela explicação científica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Cesario :)

      Quanto à explicação científica, prefiro dar-lhe o nome de hipótese ;)

      É uma hipótese com lógica, mas não passa de hipótese... a não ser que um dia seja provada por algum estudo sério, de entre os vários estudos sérios que se tem feito ao longo dos anos.

      Um abraço e vá passando aqui pelo Laudas Avulso.

      Eliminar

Todos os comentários serão publicados, excepto spam e/ou os que contenham linguagem inapropriada.

Laudas mais lidas nos últimos 7 dias