As boas escolhas só ocorrem quando temos as cartas todas na mão

Do meu ponto de vista, aquele dia da semana passada parecia um dia perfeitamente normal, sem grande história, o mesmo de todos os dias, acordar, vir para o trabalho e dar no duro, o habitual.

Até que pelas 15h26 atiraste-te pela janela!

E nesse preciso momento todos os meus problemas foram reduzidos a zero, quais problemas qual quê, umas chatices mínimas que são poeiras quando comparadas com os teus problemas!

Mas como e porque raio chegaste a esse ponto?! Por capricho do destino, fizeste-o no preciso momento em que eu estava com o teu pai ao telefone e não foi bom de se ouvir.

Sabes o que acho? Acho que não estavas em ti, eras tu, mas sem a mínima ideia do que estavas a fazer, no entanto existem coisas que se fazem num único segundo que podem ter repercussões para a vida inteira, é o caso… tu não sabes, mas os médicos informaram que as intervenções cirúrgicas que te estão a fazer não têm grandes probabilidades de sucesso, podes sair daí paraplégica e/ou com um pé amputado (pois, não é bonito, bem sei).

Ainda assim, tenho fé, mas é que tenho mesmo! E enquanto existir a mínima hipótese de recuperares totalmente, eu vou acreditar, e acredito mesmo a sério!

Estás viva, isso é importante (mesmo importante). Estás arrependida, já me contaram, mas e agora? O arrependimento nesta fase já não muda grande coisa do que está feito, mas pode ser o primeiro passo para mudares o futuro, veres o mundo e a vida com outros olhos, sem culpas, sem autorrecriminações, sem o que poderia ter sido e não é. Vai ser por um caminho mais difícil é certo, mas é sempre possível ser-se feliz, sempre!

Estás a ver a fotografia no inicio deste texto? Sou eu, sou eu numa campanha anti-suicídio, desgraçadamente participei numa campanha direcionada a desconhecidos e não o fiz a quem me é próximo, obviamente não podia adivinhar o que te ia na cabeça, mas caraças, garanto-te que foste uma lição para mim.

Que me chamem doido, que me virem as costas, mas nunca mais vou perder a oportunidade de falar sobre o tema do ponto de vista que aceito, que tem lógica, que perceciono como sendo real.

Voltando a ti, agora vais recuperar, é preciso tempo, depois teremos muito tempo para conversar, não te julgarei (jamais faria isso) e quando tiveres na máxima força física e psicológica, vou falar-te, vou colocar-te a par do meu ponto de vista, só isso, faremos simplesmente um exercício para te fazer pensar, se concordares colocarei à tua disposição ferramentas que te façam pensar ainda mais (sem imposições claro, ficam ali, simplesmente ali ao teu alcance) e depois… bom, depois escolhes o que achares melhor para a tua vida, mas que escolhas com as cartas todas na mão.


3 comentários:

  1. Esta semana tive a noticia de um, um suicídio que infelizmente levou um amigo de nós. Uma pessoa amada por tanta gente que foi dos funerais com mais gente que presenciei.

    ResponderEliminar
  2. Soube à bem pouco tempo da tentativa de suicídio de um amigo. Também ele se arrependeu a tempo de pedir ajuda, o que não impediu que estivesse entre a vida e a morte, Encara agora a vida como uma segunda oportunidade de fazer algo e tentar ser feliz.

    Há uns anos atrás uma pessoa bem próxima também ela esteve à beira de o fazer, nunca soube bem o que o travou. Um dia recebo um sms de pedido de ajuda e conhecendo a pessoa tão bem soube que algo estava prestes a acontecer, algo irreversível caso fosse em frente. Desesperei por estar longe e não poder sair a correr para travar o que se desenhava no horizonte, recorri aos amigos para o fazerem, ninguém conseguia falar nem saber onde estava, tinha desligado o telemóvel logo a seguir à mensagem. Felizmente nada aconteceu, uma luzinha despertou no fundo daquela mente confusa e fez com que se agarrasse à vida. Chegou ao fundo para poder levantar-se de novo é isso que sinto quando penso em tudo isto.

    ResponderEliminar

Todos os comentários serão publicados, excepto spam e/ou os que contenham linguagem inapropriada.

Laudas mais lidas nos últimos 7 dias