Para todos(as) os(as) baralhados(as) de coração


Caro(a) leitor(a) deste pequeno tasco plantado à beirinha da selva que é a Internet, se és baralhado(a) do coração, este texto é para ti:

Quem gosta, quem ama a sério não se sente baralhado(a), desculpa a entrada a pés juntos mas prefiro começar por informar-te logo de inicio de que não gostas de ninguém, a não ser de ti próprio(a) e mesmo disso tenho sérias dúvidas!

Quem gosta, mas quem gosta mesmo a sério, ama, gosta e ponto.

E nota que é um ponto enorme, um ponto final parágrafo!

Não há lugar para dúvidas, não há lugar para medos, não há lugar para distâncias, mas acima de tudo: não há lugar para crueldades.

Os seres humanos dignos desse nome, ou gostam de volta, ou não gostam, mas são honestos(as) e em nenhum dos casos são cruéis.

Quem gosta, mas quem gosta mesmo a sério não espezinha, não é de má índole, não se põe a contar factos que magoam, até porque não dá o mínimo espaço para que esses factos ocorram (consegues entender isso?!), e nos casos em que os factos fazem parte do passado, que importam?

Quem gosta de ti e se de facto gosta de ti, gosta por inteiro, não se importa com o passado. E se sabe algo eventualmente menos bom, ou menos apropriado do teu passado (ou de parte dele) e ainda assim gosta de ti, qual é o pânico?!

Nem é preciso responderes, eu explico-te:

O pânico é que estás tão preocupado(a) em esconder coisas da tua vida que as queres esconder de ti próprio(a), são os malabarismos próprios de quem é viciado(a) em sedução e depois não sabe o que fazer com os(as) seduzidos(as), caindo no outro vício normalmente associado ao vício da sedução: a mentira... e é precisamente aqui que surgem os primeiros riscos.

Como manter os(as) seduzidos(as) sob controlo? Como impedir que avancem demasiado? Como fazer com que bajulem continuamente o(a) viciado(a) em sedução? Como conseguir tudo isto e ainda mais, mantendo as aparências?

É difícil não é?! É difícil porque as bolas de neve têm tendência para crescer e descem a encosta a uma velocidade cada vez maior!

E os ciúmes? Tens ciúmes? Ui os ciúmes… queres saber o que são esses ciúmes? São o teu verdadeiro eu a vir ao de cima.

Repara que os ciúmes, quando são micro ciúmes podem ser normais, quando são q.b. fazem parte da piada do amor, porque quem gosta, mas quem gosta mesmo a sério, por vezes tem aquele friozinho na barriga causado pelo pequeno ciúme tolo do amor sincero, mas esse ciúme é silencioso, só faz frio na barriga de quem gosta, não salta cá para fora, ou se salta, salta em versão light não causando maior impacto do que um sorriso cúmplice do nosso amor, nada mais.

Já o ciúme obsessivo, o ciúme descontrolado, o ciúme só porque sim, o ciúme doentio com a desculpa de ser mais forte do que tu, demonstram o teu verdadeiro ser e não se deveria chamar ciúme, mas sim medo! Sim, medo, leste bem… medo de que o(a) outros(as) se comportem nas tuas costas exatamente como tu te comportas nas costas deles(as).

Não, não gostas, digo-te novamente que se estás baralhado(a) não gostas de ninguém, porque quem gosta, quem gosta mesmo a sério não sente a mínima baralhação no seu ser.

Quem gosta, mas quem gosta mesmo a sério não diz as mesmas coisas à(o) A, à(o) B, C, D... e outra vez à(o) B, D, A... umas vezes ao mesmo tempo, outras num espaço de tempo tão curto que até baralha quem te rodeia e vê de fora!

E até te digo mais: quem gosta, quem gosta mesmo a sério, deixa de se considerar o centro do universo e transfere esse centro para o ser de quem gosta, de quem ama, sem dúvidas, sem inventar problemas, sem necessidades bélicas, sem desconfianças parvas, simplesmente fecha os olhos e salta para o vazio de peito aberto e confia… e confia porque só assim faz sentido o amor, porque quem ama, quem gosta mesmo a sério, não é salta pocinhas, não está baralhado(a) e só tem quatro necessidades:

Mimar, ser mimado(a), dar e receber paz.

As tuas necessidades são outras?! Então é porque não gostas, mas não gostas mesmo, nem de ti próprio(a) pois nem sequer te dás descanso, não entendes o prazer sublime da paz, de confiar cegamente, de seduzir e ser seduzido(a) sempre pela mesma pessoa vezes sem conta, e ainda mais uma vez, sempre à pessoa e pela pessoa de quem gostas, num jogo de amor saudável que dificulta a rotina.

Mas tu não gostas, não gostas mesmo, daí o sentimento de vazio que te deixa a sedução em série, é como se fosse areia a fugir-te por entre os dedos até as mãos ficarem vazias, e para colmatares o sentimento de vazio investes em mais sedução, mas quantos(as) mais seduzes, mais escavas e mais areia te foge das mãos!

Sabes que mais? Baseando-me em parte de um texto da autoria de Pedro Chagas Freitas,  digo-te de uma forma carinhosa:

Estimo bem que vocês se fodam [os(as) baralhados(as) de coração] e desapareçam de vez das vidas de quem não merece tamanhos(as) parvos(as).

Notas:
  1. Os “(as)” e “(os)” são desconfortáveis à leitura, mas achei útil pois o texto pode encaixar em mais do que um género;
  2. Se te sentiste picado(a), não descarregues no autor, em vez disso pensa se não seria melhor mudares de vida;
  3. O texto é duro? Sim, é um bocadinho, mas a vida é mesmo assim.


4 comentários:

  1. Sim o amor é simples. Uma troca de afeto, amizade, confiança, risos, cumplicidades. Um friozinho na barriga cada vez que o outro está a chegar, um sorriso nos lábios por um simples bom dia amor, um suspiro de satisfação por simplesmente estar perto. Um caminho a dois que sento individuais se completam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é mesmo isso
      ;)

      Eliminar
    2. Anónimo8.5.15

      antes demais deixa-me pedir desculpa por estar a invadir o teu espaço, mas apenas te quero agradecer pelo texto/desabafo para mim foi mto esclarecedor!

      deixo apenas umas perguntas...

      para que servem os ditos amigos nestas ocasiões, não deveria de ser para tentar chamar à razão e tentar mostrar que aquilo está errado!

      Ou será servem apenas para serem coniventes com a situação e deixar as coisas andarem, mas neste caso não nos devemos de considerar amigos, porque estamos a ser iguais aos outros ;-) e a quem está a protelar essa situação! olhamos apenas para o lado é isso?

      Queremos ser amigos destes tipo de pessoas ? Que benefícios recolhemos? O que aprendemos?


      Mais uma vez desculpa e mto obg, João Moreira

      Eliminar
  2. Olá João, bem vindo!

    Deixa-me começar por dizer que não tens nenhum motivo para pedir desculpa, isto é um espaço que se quer com interacção.

    Quanto às tuas questões/observações... não tenho uma resposta certa!

    Isto foi escrito genericamente, como tal não tinha ninguém em mente, não sei, mas não gostaria de ser amigo de alguém assim :)

    ResponderEliminar

Todos os comentários serão publicados, excepto spam e/ou os que contenham linguagem inapropriada.

Laudas mais lidas nos últimos 7 dias