Uma grande lição!


Como será normal com todas as pessoas, noto que com o passar dos anos vou modificando a minha forma de pensar, a minha opinião sobre alguns assuntos vai-se alterando. Para isso contribui a maturidade (pois tem sempre uma palavra a dizer) e também a filosofia de vida que sigo, que me "obriga" a pensar pela minha cabeça, a não aceitar nada sem passar pelo crivo da razão, a raciocinar sobre as coisas e não somente deixar-me ir porque a maioria diz.

Ainda assim, alguns hábitos antigos desaparecem mais lentamente! Por exemplo: no principio da minha vida adulta qualquer opinião de alguém que eu admirasse era praticamente uma verdade absoluta, e recentemente percebi isso num exemplo concreto, sem aviso prévio fui apanhado de surpresa, vendo-me obrigado a pensar e originando uma alteração curiosa no meu interior!

Tive alguns professores que me marcaram, no entanto atrevo-me a eleger um deles como aquele que se destacou, foi um professor que tive numa cadeira de Organização Empresarial durante um Mestrado Pré-Bolonha que frequentei (não vou referir o nome do homem pois acho inadequado fazê-lo aqui). O referido professor tornou-se numa grande referência para mim e uma das coisas que me ficaram na memória foi ele ter dito numa conversa informal fora das aulas, que o livro "Quem mexeu no meu queijo" tinha sido o pior livro que alguma vez teria lido.

Ora, aquela opinião vinda de uma pessoa que eu tanto admirava, tornou-se numa verdade absoluta para mim, ainda por cima na época o homem para além de professor era também o vice-reitor da Universidad Autónoma de Madrid, com certeza que devia saber o que estava a dizer, certo?!

Pois bem, por mais do que uma vez calhou eu passar por esse livro numa livraria, se não estou em erro até aconteceu vê-lo à venda numa estação de serviço e sempre o desprezei, afinal de contas aquele livro para mim era o pior livro alguma vez escrito (sem nunca o ter lido!).

Até que uma amiga me pediu ajuda... e o ajudado fui eu!

A referida amiga estava a preparar uma apresentação para um público de adolescentes, nessa apresentação pretendia passar um pequeno vídeo que está no YouTube, mas no local onde iria fazer a apresentação não tinha Internet disponível, perguntando-me então se existiria forma de fazer o download do filme e apresentar o mesmo offline.

Expliquei-lhe como deveria proceder, tendo na conversa percebido que o tal vídeo era sobre o livro "Quem mexeu no meu queijo". Confesso que fiquei um pouco desconfiado, mas calei-me e no dia da apresentação fui lá ver.

A presentação dela foi brilhante, conseguiu colocar os adolescentes todos a trocar ideias entre si numa discussão saudável (coisa rara nos dias que correm), e eu fiquei a sentir-me muito pequenino quando ela apresentou o filme... aqueles 12 minutos fizeram-me pensar!

Achei o vídeo muito bom, revi-me em algumas coisas e até percebi que tenho características de duende vermelho em certas situações e de duende cor de laranja noutras... mas vou esforçar-me para ser um duende cor de laranja na maioria do tempo (não sempre, pois aquele raciocínio não se aplica a tudo... hehehehe não arranjem esta desculpa do queijo para trocarem de namoradas(os) a torto e a direito!!).



Esclareço que a minha opinião sobre o professor não se alterou, continuo a admirá-lo bastante, no entanto, se calhar neste tema não concordo com ele. Vou ter de ler o livro para chegar às minhas próprias conclusões, mas mais uma vez percebi que nós é que temos de pensar pela nossa cabeça e não ir atrás das opiniões dos outros só porque os admiramos.

Para aqueles que tiverem curiosidade, termino com o referido filme de desenhos animados, está em português com sotaque, mas vê-se muito bem:




2 comentários:

  1. Anónimo13.1.14

    Francisco, sinto-me grata pela oportunidade de te ter como amigo. Beijinho M

    ResponderEliminar

Todos os comentários serão publicados, excepto spam e/ou os que contenham linguagem inapropriada.

Laudas mais lidas nos últimos 7 dias